Ceará tem 61% da população de até 14 anos na pobreza.

Comparando os dados, o Ceará ocupa a terceira colocação no Brasil, atrás de Alagoas (66%) e Maranhão (62,4%).

Criança

             Crescer com qualidade de vida, rodeados por bons serviços de saneamento, saúde e educação, por exemplo, deveria ser regra para crianças e adolescentes. No entanto, a precariedade de condições financeiras leva a caminhos mais difíceis: no Ceará, 61% da população de 0 a 14 anos - cerca de 1,2 milhão de pessoas - vive na pobreza, numa classe de rendimento mensal domiciliar per capita de até meio salário mínimo. Isso levando em conta o valor do ano de 2015, que era de R$788. Comparando os dados, o Ceará ocupa a terceira colocação do ranking nacional, atrás de Alagoas (66%) e Maranhão (62,4%).

O Ceará também aparece entre as Unidades da Federação com os piores índices de pobreza extrema entre menores de 14 anos. Nessa categoria, a renda per capita é equivalente um quarto daquele salário, isto é, R$197. O Maranhão lidera o ranking com 35,2%, seguido por Ceará (28,6%), Alagoas (28,3%), Bahia (24,7%) e Pará (23,9%). No Estado, o número absoluto de crianças e adolescente nessa situação chega a 561,2 mil.

A situação precária em que vivem os jovens do País é atestada pela nova edição do "Cenário da Infância e da Adolescência no Brasil", levantamento da Fundação Abrinq, lançado ontem, que mostra que 40,2% dos jovens brasileiros vive na pobreza e que cerca de quatro milhões de crianças moram em favelas.

O Nordeste e o Norte do país são as regiões com os piores cenários em relação à faixa de renda. Nelas, respectivamente, 60% e 54% das crianças vivem em situação de pobreza.

Para a administradora executiva da Fundação Abrinq, Heloisa Oliveira, é a profunda desigualdade social brasileira que está por trás dessa situação e leva à piora de outros indicadores, considerados "impactantes". "Nós fizemos uma fotografia da situação, mas, se não houver, por parte dos governantes, uma decisão estratégica de investimentos em crianças e adolescentes, dificilmente o Brasil vai conseguir cumprir as metas de bem-estar social", afirma.

Heloisa se refere aos indicadores sociais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), compromisso global para a promoção de metas de desenvolvimento até 2030, do qual o Brasil é signatário junto a outros 192 países. Os objetivos da ONU incluem melhoramentos em educação, saúde, saneamento e enfrentamento à violência.

No entanto, pelo menos nas estatísticas, eles estão longe de serem alcançados. No Ceará, 3,2% de crianças menores de 5 anos estão na condição de desnutrição (a meta da ONU é zerar a taxa); contabilizam-se 12,7 óbitos de menores de um ano a cada mil nascidos vivos; apenas 29,7% das crianças de 0 a 3 anos contam com cobertura de creches (quando o ideal é de, pelo menos, 50%); e 65% da população não tem acesso adequado à rede de coleta de esgoto, um fator propagador de doenças como infecções digestivas.

Fonte: Diário do Nordeste.

 

 


  Os comentários postados aqui são de inteira responsabilidade de seus autores  

Publicidade

Vale Turismo
Spetus Bar
Oticas Quiroz
Drogaria Sao Luiz
Fan Fitness
Otica JM
Som Records
Parafuso
Drogaria Santa Terezinha
Radiosnet

Facebook

Contador de visitas

00409203
Seu IP: 54.81.254.212
22/07/2018 17:33